10 de agosto de 2012

O Jumento que decidiu uma difícil causa....


Lembrei-me, hoje, de um inusitado caso que ocorreu com o meu avô materno, o Desembargador Dr. Hemetério Fernandes, fundador e primeiro Presidente da Instituto da Ordem, dos Advogados do Brasil, seção do Rio grande do Norte. Homem apegado à cultura, também fum dos fundadores do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte.
Era ainda jovem e recém casado. quando foi nomeado para a distante cidade de Martins, onde causas de difíceis solução ocupavam grande parte das estantes de sua sala de trabalho. Desavenças por questões de terra, algumas de antigas sesmarias, ocupavam boa parte do tempo do jovem magistrado.
Uma dessas questões foi ade dois "coronéis" que, irredutiveis, disputavam um pedaço de terra. Na sua mesa de trabalho, instalada na sala que dava para a rua da pequena cidade, o Dr. Hemetério estudava o difícil processo, contendo antigas escrituras. Um dia, ainda às voltas com o complicado quebra-cabeça, sem vislumbrar no meio de toda aquela quase centenária disputa, que já envolvia os filhos dos já falecidos litigiantes. minha avó veio chamá-lo para o almoço.
Na sala de jantar, meu avô ouviu o ruído surdo de pisadas, provavelmente, pensou, de alguém que entrou sem se anunciar. Falando alto, pediu ao desconhecido para sentar-se, enquanto terminava de almoçar. Antes, convida-o para o almoço. Não obteve resposta, e ficou pensando que se tratava de uma pessoa tímida ou com audição deficiente.
Nem desconfiara, meu avô, que o desconhecido era um jumento que, encontrando a porta aberta, penetrara na sala a dentro e, pisando macio, foi direto à escrivaninha do juiz. E, de apetite aguçado e voraz, "almoçou" as folhas amareladas das velhissimas e irrecuperáveis escrituras.
Quando o Dr. Hemrtério retornou à sala, deparou-se com o jumento ainda mastigando gostosamente as últimas porções do trabalhoso processo.
Entre aflito e espantado, num gesto impulsivo, avancou na direção do abimal, na tentativa perigosa de arrancar um pedaço do processo ainda à mostra. Mas, o jumento, assustado, também, numa manobra rápida, ganhou a rua, passando pela porta escancarada.
Preocupado, o magistrado mandou chamar os dois fazendeiros irreconciliáveis e narrou-lhes o acontecimento irreparável.
- Agora só há uma saída: um acordo amigável.
Oferecendo-se para servir de árbitro, convida-os para discutir e chegar a um entendimento. Sem outra opção, aceitam a mediação do juiz. E chegaram a um acordo, encerrando, assim, uma antiquíssima desavença.
- E dessa maneira - dizia, . Dr. Aldo Fernandes a seus alunos, na Faculdade de Direito de Natal= pela primeira vez na história um jumento concorreu, decisivamente, para resolver uma complicada questão de terras.

Autor do relato: José de Anchieta Ferreira In: Histórias que não estão na História


Nenhum comentário: